TRANSIÇÃO CAPILAR: 5 anos depois do BIG CHOP

11:00


Este mês faz 5 anos que tomei uma das decisões mais acertadas da minha vida que foi me desprender da química capilar e aceitar meu cabelo natural. Da decisão até o BIG CHOP (que é o "grande corte", quando a gente retira toda a parte com química do cabelo) foram no máximo 7 meses, então foi um processo bem rápido para mim, mas as coisas que mudaram na minha cabeça são para a vida toda.

Para quem me conheceu nos últimos anos é até difícil imaginar que um dia eu já tive o cabelo alisado. E é muito louco pensar que eu passei grande parte da minha vida com outro cabelo que não este que eu tenho agora. Porque ele combina tanto comigo que é até uma coisa impensada atualmente não ter meu cabelo cacheado.

Sempre que eu começo a falar disso a impressão que eu tenho é que as pessoas acham uma bobeira sem tamanho, mas deixa eu te contar, não é só sobre cabelo. É toda uma questão de identidade e autoaceitação longa, que para a maioria de nós, começou na infância e que fez ou faz parte da nossa concepção de beleza. Da nossa beleza.


Então, a primeira coisa que eu preciso dizer que mudou muito na minha vida, sem dúvida foi minha AUTOESTIMA. Eu parei de me ver pelos olhares de outras pessoas e de precisar que alguém validasse minha beleza por uma característica que não era minha. E essa foi uma das maiores conquistas que eu tive, porque crescer cercada de opiniões que você acredita precisar para fazer o que for te faz refém de muita coisa que não faz sentido. E quando eu me vi numa aparência que nunca tive antes, foi um choque e ao mesmo tempo eu tive que segurar a onda porque não tinha ninguém que estivesse de acordo e tudo bem porque o cabelo é meu. Ao mesmo tempo as pessoas são super cruéis com as palavras, mesmo quando você não pede a opinião delas.

Então, se você pensa em passar pela transição capilar e pelo BC, tenha certeza do que você está fazendo e foca no resultado, porque ninguém (no meu caso, nem a família por um certo tempo) vai te incentivar ou dizer alguma coisa legal. É de "preferia seu cabelo como era antes" (mesmo quando você não perguntou nada) para baixo. Mas eu acredito que as coisas estão um pouco melhores atualmente.


Meu CORTE atualmente não é meu favorito (porque eu inventei de cortar o cabelo sozinha, achei que estava abafando, mas estava todo torto e minha mãe teve que arrumar a bagunça), mas não vou mexer até meu cabelo crescer mais. FATOR ENCOLHIMENTO é uma coisa bem triste. Na verdade só o fator encolhimento, a hora de desembaraçar e o fato do meu cabelo agarrar em tudo e em todos são as coisas que eu aponto como contras, porque o restante para mim é só pró!

O VOLUME que era uma coisa que eu (e todo mundo) reclamava quando eu era criança me surpreendeu imensamente. Porque como uma coisa que me incomodava, eu achei que teria problemas para lidar quando o cabelo crescesse, mas é o oposto: não acho que meu cabelo tem volume suficiente (o que me deixa um tanto desapontada às vezes).

Meus CUIDADOS são muito básicos e confesso que não tenho muita paciência para hidratar, umectar, nutrir e para o cronograma capilar de uma maneira geral. Se não fosse prático para mim (como muitas pessoas me perguntam já supondo que não é), sinceramente não sei como seria. Eu lavo o cabelo, desembaraço, passo creme e voilá! No mais é só usar a fronha certa (de cetim) ou uma touca (também de cetim) na hora de dormir.


Uma das coisas que mais curto é a VERSATILIDADE que meu cabelo me traz. Posso fazer diversos penteados e variar as texturas, porém básica toda vida, prefiro usar meu coque abacaxi ou solto mesmo porque é como me sinto melhor. Vez ou outra faço chapinha no cabelo para ver o comprimento sem o fator encolhimento ou porque me dá vontade mesmo. Mantenho MEUS CACHOS porque é como EU gosto, mas se me ocorresse de alisar, tudo bem também e ninguém tem nada com isso. Porém não é algo que passa pela minha cabeça e também não condeno quem alisa (quem sou eu para isso?). Que cada um tenha a liberdade ser o que é. E viva aos 5 anos da minha liberdade capilar ♡

• • •

Follow Me:
YouTube | Instagram | Spotify

Deixe seu comentário

Você talvez goste

0 comentários