Tranquei a faculdade e estou bem com isso

10:30

Foi numa conversa aleatória pré consulta com a dentista que eu encontrei as palavras pra falar sobre isso. Ela me disse "seu negócio é cantar". E não fosse a falta de intimidade e de contexto eu juro que teria dado um abraço nela. Mas só concordei com força e me surpreendi, porque vivo tentando me justificar pra um monte de gente que não tem nada a ver com a minha vida. No entanto, alguém na posição dela, que poderia facilmente me julgar, entendeu o meu lado sem eu sequer mencionar os meus motivos.

Sou o tipo de pessoa que tenta. Cursei um semestre de psicologia, mas não conseguia me imaginar trabalhando na área (de forma alguma). E apesar de ainda gostar muito de tentar decifrar a mente humana, abandonei. Era uma mensalidade cara e horas perdidas de sono por uma coisa com a qual eu nem conseguia me ver trabalhando.

Alguns anos mais tarde e já de saco cheio de fazer o ENEM (nem fiz tantas vezes assim, mas é um exame cansativo), consegui ingressar no curso de estudos de mídia (na UFF). Tinha bastante a ver com as atividades em que eu já me encontrava (e ainda me encontro) e acreditei que nesse curso eu, enfim, conseguiria me encontrar.

Acho que romantizei demais a experiência acadêmica e me vi mais uma vez saindo de casa obrigada. Ia pra faculdade ansiosa pra voltar pra casa e apesar de achar os assuntos das aulas (algumas delas) interessantes, eu sempre me sentia perdendo um tempo que poderia estar investindo em alguma coisa que me empolgasse de verdade. E me sentia completamente deslocada e infeliz quando estava lá.

Pode ser que eu também esteja romantizando o fazer as coisas por prazer, mas decidi trancar minha matrícula. Me dar mais tempo pra investir (dessa vez de verdade) naquilo que realmente me interessa. E não tranquei só com a promessa. Algumas coisas passaram a realmente acontecer e deixaram de ser apenas coisas com as quais eu sonhava. E percebi que se eu me dedicar de verdade, posso ver mais coisas acontecendo. Resolvi abraçar a oportunidade. E, como não sou exatamente boba, a faculdade tá lá. Posso voltar se eu quiser. Não terei essa alternativa pra sempre, mas por enquanto tenho.

No mais, ingressar numa faculdade nunca foi uma cobrança familiar. Tudo o que fiz foi apoiado, mas não obrigatório. Tenho plena consciência do meu atual status e não estou parada esperando as coisas caírem do céu (como algumas pessoas não falam, mas gostariam). Não vou morar com meus pais nem depender do suporte financeiro deles pra sempre. Eles sabem disso e sabem que tenho corrido atrás das minhas coisas. E, na real, eu nem precisava escrever isso aqui. Eles sabem e isso basta. Mas acho que, de certa forma, eu queria colocar isso pra fora. Eu não estou vagando sem rumo. Tá bem?

Então, é isso. Vocês vão me ver cada vez mais por aí! Aguardem...

• • •

Deixa um comentário dizendo o que achou deste post? Vou adorar saber! 


Live no Instagram toda quinta às 20h30

Você talvez goste

2 comentários

  1. Mega importante esse seu post! Ultimamente, as pessoas (a minha volta pelo menos) têm tratado a faculdade como o pico da felicidade, e se você não faz faculdade, é fracassado na visão de alguns deles. Mas, ás vezes, a gente só não se identifica com aquele lugar, ás vezes a nossa felicidade tá em outros lugares, outras ações e não é vergonha nenhuma correr atrás disso. Parabéns, viu? Aliás, amei o blog, já segui e já me inscrevi no seu canal! Desejo toda a sorte do mundo nessa nova etapa da tua vida ^^
    Um beijão,
    Gabs do likegabs.blogspot.com ❥

    ResponderExcluir
  2. Adorei a forma como você abordou o assunto, correr atrás dos sonhos é maravilhoso, não sabia que vc tinha feito psicologia *o* já quis fazer psicologia mas tbm nâo me imagino TRABALHANDO nessa área. Bjjs

    ResponderExcluir