Viver, além de existir

10:30

Estava avaliando alguns aspectos da minha vida, durante uma tarde de conversas informais e aleatórias, e percebi que muitas coisas mudaram para melhor nos últimos anos. Muito se deve ao fato de muitas coisas ruins terem acontecido, mas felizmente elas se converteram em aprendizado, amadurecimento e crescimento pessoal. Isso significa que as estradas com muitas pedras e barro também levam a bons lugares. Talvez só seja um pouco mais difícil chegar, um pouco mais trabalhoso e dolorido, mas dá pra chegar. 

Com essa reflexão eu percebi que nós, seres humanos, muitas vezes nos cercamos de medos e inseguranças que carregam muitos significados, mas que não nos garantem nenhum tipo de controle sobre os acontecimentos. A gente tem medo dos baixos quando a vida está nos altos. E a gente nem sabe como se proteger. Na verdade não tem como se proteger da vida, ela só vai acontecendo enquanto a gente tenta inutilmente sobreviver. Já que no final disso tudo a gente acaba tendo o mesmo fim. 

Talvez soe meio pesado, mas é a verdade. A gente pode ignorar, mas ela nos alcança em algum momento. No entanto, a gente não precisa se agarrar a isso, porque existir fica meio difícil quando a gente foca no fim disso tudo. Tem tanta coisa boa que a gente pode fazer e ser enquanto está por aqui... Tanta coisa que dá pra compartilhar, tanta coisa boa pra sentir, tantos bons momentos pra curtir, tanta música pra cantar... 

Acho que a vida ganha muito sentido quando a gente tenta não se atrapalhar nem atrapalhar aos outros. Incentivar, se colocar no lugar das pessoas, apoiar, ajudar, sabe? Já tem tanta gente no papel de carrasco, de juiz, que fazer a diferença é não ser nada disso. Mesmo. Acho que mudei um pouco o rumo das coisas, mas isso tudo é tão breve que dá um pouco de preguiça de gastar esse bocado de tempo com insegurança, com medo, com picuinha, com julgamentos, com fofoca, com coisas que vão fazer mais mal do que bem. Se a gente se preocupasse mais em dar bons significados às vidas das pessoas à nossa volta, acho que as nossas vidas também teriam um significado gigantesco. E é algo pelo qual vale a pena morrer tentando. 

Snapchat: elisalecrin

Você talvez goste

0 comentários