Não é estranho? (Tita)

10:30

No caso, ela teria esse jeito mais descontraído e serelepe (na minha cabeça, obviamente)
Dia desses fui perguntar pra minha mãe o porquê do meu primeiro nome (pra quem não sabe, me chamo Fátima Elisa - durmam com essa). Já sei que Elisa foi inspirado pela Lisa Simpson, numa insistência (muito bem vinda) do meu irmão em participar da escolha do meu nome. Mas Fátima eu já tinha esquecido, porque cada um me dizia algo a respeito. Mas então, minha mãe de pronto me respondeu: porque eu quis. Ok, e se não fosse uma criança de 9 anos, eu seria só Fátima.

Deixa eu me explicar. Acho Fátima um nome com uma responsabilidade imensa nas costas. Nome de gente mais experiente, com um tanto de linhas de expressão e uma vida totalmente diferente da minha. É estranho e só sei explicar assim. Me chamavam de Fátima lá pela quinta série e eu não ligava, juro. Mas depois que passei a realmente assumir minha personalidade, comecei a escolher como as pessoas iriam me chamar. 

É claro que meus pais ainda me chamam pelos dois nomes juntos. E não consigo imaginá-los me chamando de outra forma. E, na verdade, acho que minha relutância em ser chamada de Fátima vem justamente da dificuldade que as pessoas têm de ver meu nome composto como tal. É comum? Sei que não é. Mas nada me deixa mais incomodada que, por exemplo, numa chamada, Ana Beatriz, Maria Fernanda, Pedro Henrique e Luiz Felipe sejam chamados exatamente pelos seus devidos nomes compostos e na minha vez é Fátima. E acabou. Poxa, o Elisa vem junto no pacote! Dá pra usar ele também? 

Acho que foi um pouco por isso e um pouco querendo me desvencilhar da imagem bobinha que eu tinha na escola que mudei a forma de me apresentar. Então, enganei todo mundo que ia perguntar meu nome pra negligenciar o fato dele ser composto e passei a me apresentar só como Elisa. E aí pronto. Ficou Elisa. E, se não é numa conversa demorada ou na lista de presença da faculdade, ninguém fica sabendo que tenho um "primeiro nome". 

E depois de pensar nisso tudo e analisar a resposta da minha mãe, fiquei tentando imaginar como seria se eu não tivesse uma segunda opção. Fátima Alecrin. Fafá Alecrin. Fatinha Alecrin. Tita Alecrin... Tita. Achei legal, achei fofo, peguei carinho. Mas não tem nada a ver com quem me tornei sendo Elisa. Se eu fosse Tita, seria outra pessoa. Como sou Elisa, não posso voltar atrás. 

Se um dia eu precisar resetar a vida, pode ter certeza que vou ser Tita. Mas eu espero nunca precisar.

Você talvez goste

4 comentários

  1. E eu aqui, vindo comentar no seu blog com o "Brain Storm Blogger". Isso me lembra muita coisa...
    Mas o seu texto me lembra essa fase de transição sua de Fátima para Elisa na qual todos tinham que ser constantemente lembrados a te chamar só de Elisa (e sabemos que tem gente dessa época que não te reconhece por outro nome além de Fátima).
    Sou fã do seu trabalho, nem preciso dizer... É só pra te lembrar mesmo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E eu só lembro da Monique dizendo "Fá, quer dizer, Elisa" hahahahaha
      É uma história divertida e eu me construí em cima desse nome, afinal.
      Muito obrigada por ter passado comigo aqueles momentos. Obrigada ❤

      Excluir
  2. Nem Fátima, nem Elisa, nem Tita. Pra mim sempre vai ser Lizzy <3 hahahahaha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso aí foi culpa de outra Elisa que tbm não era só Elisa. E porque eu gostava muito de "Operação Cupido" que tinha uma Elizabeth e chamavam ela de Lizzy. ❤

      Excluir