A velha vontade

10:30

A primeira alternativa das pessoas é sempre rir daquilo com que elas não sabem lidar. Tem ali um coração pulsando, uma alma com desejos, com sonhos, talvez uma inexperiência quando o assunto é realmente parar de inventar assunto e perceber o que se sente. Porque dificilmente se repara no que não está sendo dito. E quando se repara, não se repara, mas se supõe e aí dá tudo errado. Fingir entender é pior que não entender.

Quantas vezes eu só esperei uma deixa, uma brecha, uma oportunidade pra transbordar de intenções e te abraçar sem medo... E a resposta quase sempre foi você virando a cabeça pro outro lado enquanto eu ensaiava dizer "te gosto tanto". Tem uma hora que a gente cansa, mas não deixa de sentir. É só que a gente acorda um dia com preguiça de sofrer e só vai levando. Acumulando decepções e frases que nunca vão ser ditas nem subentendidas. Porque você preferiu rir disso tudo em vez de entender por que eu estava sendo tão bizarra.

E eu continuei sendo bizarra, sendo louca, sendo muito chata. Isso tudo porque eu tentei ontem, anteontem e na semana passada. E há dez meses atrás também. Eu tentei ser menos, fiz o teatro da moça banal, vesti todos os personagens acreditando que só essa história, pelo menos essa, teria final feliz. Mais uma vez eu medi errado os meus passos e terminei com os pés descalços, os sapatos nas mãos e a velha vontade de voltar pra casa sem nunca ter saído dela.

Você talvez goste

0 comentários