Poem A Day - O terremoto

10:30

Quase não deu pra sentir no começo. E agora eu tô aqui tentando arrumar a bagunça que ficou depois que você apareceu. Tinha que ser uma aparição tão repentina? Eu sei, surpresas da vida, né? Realmente não poderia ter sido melhor. E agora sorrindo sozinha, boba de encantamento, te vejo em cada centímetro da cidade, em cada raiozinho de sol que encontra uma brecha entre as folhas da árvore pra iluminar. 

Sabe, eu poderia contar uma história triste. Mas hoje eu escolhi falar de você e da sua entrada triunfal. Que foi discreta no começo, mas não deixou de marcar uma presença firme, perceptível. Talvez aquele flerte que a gente fingiu que era só o sol cegando tenha mostrado mais do que a nossa própria boa vontade em jogar limpo. Quem daria o braço a torcer pra dizer que se apaixonou primeiro? 

Pra falar a verdade nem importa. Você foi de três a nove na escala e eu estremeço só de pensar no dez. A comparação é horrível, eu sei, mas eu não queria cair numa analogia clichê. A minha vida está bagunçada, minha estrutura abalada e meu coração acelerado. Você chegou e se mantém como um terremoto. De um jeito muito adorável, acredite.

Você talvez goste

2 comentários

  1. Ótimo texto Elisa, como sempre ♥
    É tão bom quando uma pessoa surge na sua vida e meche com a gente, de forma positiva, é claro!!

    Beijoss
    www.conversandocomalua.com

    ResponderExcluir